Os alemães são incorrigíveis; está-lhes no código genético o pedantismo e a sobranceria, e a tendência natural para desvalorizar qualquer adversário.
Os ingleses do Chelsea deram a primazia da iniciativa aos alemães do Bayern de Munique, esperaram por eles na defesa porque os alemães jogavam no seu próprio estádio, e depois, como é característica inglesa, "atacaram por trás" e "espetaram a faca" nas costas dos “inimigos”.
Só pela capacidade de sofrer — “the quiet desperation is the English way” — do Chelsea, e pela arrogância do Bayern, gostei de ver os ingleses ganhar a final da Taça dos Campeões Europeus de futebol.